"A principal meta da educação é criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram. Homens que sejam criadores, inventores, descobridores. A segunda meta da educação é formar mentes que estejam em condições de criticar, verificar e não aceitar tudo que a elas se propõe." (Jean Piaget)

Google Translate
ArabicBlogger Tips And Tricks|Latest Tips For BloggersFree BacklinksBlogger Tips And Tricks Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

terça-feira, 26 de outubro de 2010

HOYA CARNOSA

 Flor-de-cera como é conhecida, é uma trepadeira.
 Botões com flores fechadas.
 Flores com pétalas macias que lembram veludo.
 Detalhes da maciez da pétala.

 Minhas visitas à casa de minha avó Micas, muito me alegra quando a encontro disposta a mostrar-me seu jardim. Entre tantas plantas, essa trepadeira despertou minha atenção. Primeiro os botões fechados, depois a maciez das pétalas que a princípio confundi com flores artificiais. Beleza única, a qual levou-me fazer algumas mudas para plantar nas escolas em que trabalho.
Hoya carnosa é uma trepadeira originária da Austrália e China, sua aparência como se fosse feita de porcelana é que dá o nome popular de flor-de-cera.
Nome popular: Flor-de-cera; Cerinha.
Nome científico: Hoya carnosa.
Família: Asclepiadaceae.

 

terça-feira, 19 de outubro de 2010

RAÍZES

Raiz Axial
Turma da 6ª série com a planta para analisar o tipo de raiz.
Alciane e Tayná compenetradas analisando a raiz
Pelo olhar Luiz Gabriel chegou a uma conclusão.
Anderson feliz da vida com a descoberta.
Raiz Fasciculada.
Provocar a sensação satisfatória da descoberta foi um sentimento que invadiu meu ser na última quarta-feira dia 13/10/2010 na EEEFM Padre Luiz Gonzaga, onde leciono Ciências para as duas 6ª séries do Ensino Fundamental. Pedi ao meus pequenos que fossem até o espaço atrás da quadra de esporte para arrancar as plantas ( MATOS) e que trouxessem até a sala de aula para analisarmos e identificarmos os tipos de raíz que as constituiam, junto ao material didático. O resultado foi inesperado, empolgados como as fotos mostram, logo perguntaram se na aula seguinte eles iriam brincar de pesquisadores novamente. E minha resposta não poderia ser outra. Sim!
Aceito sugestões de aula prática. Podem postar aqui ou deixar seus contatos.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

CANA-DA-ÍNDIA

 No meio do jardim entre tantas outra o vermelho me chamou atenção.
 Contraste de vermelho com amarelo nas pétalas.
 A mesma em outro ângulo
 Apenas 30 cm de formosura.
Conhecida como Cana-da-Índia, essa planta me surpreendeu por ser tão pequena e já apresentar flor. Na EEEFM Padre Luiz Gonzaga onde juntamente com alunos cuido do jardim, somos vez ou outra surpreendidos assim. Na escola, há várias outras plantas dessa espécie de tamanho maior e com flores, mas a graça dessa está em seu tamanho. 
Da família Cannaceae, recebe outros nomes populares como cana-índica, cana-da-índia, beri, bananeirinha-da-índia, bananeirinha-de-jardim, biri. Se adapta bem ao sol e é importante que esteja fixa no solo rico em matéria orgânica.
FONTES: 

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

SCINAX RUBER

Discreta! Mas nem tanto, eu enxerguei.
Encolhida, quase passa despercebida.
Havia esquecido onde estavam guardadas essas fotos. Lembro que as fiz em Bacuriteua, quando ainda estava lotada na EEEFM Maria de Nazaré Cezar Pinheiro. Ao adentrar à sala dos professores, me deparo com esta rã encolhida no armário. Saquei Maria Benedita e olha aí o close da "estrela". Os biólogos Profº Dr. Ulisses Caramaschi e Profº Dr. Reginaldo Assêncio Machado, ajudaram-me a identificar a espécie que trata-se de um exemplar  Scinax ruber
Os anfíbios são de relevante importância nas cadeias e teias alimentares. Controlam a população de insetos, além de serem indicadores biológicos e ambientais. Possuem fecundação externa, ou seja, o espermatozóide penetra o óvulo fora do corpo do animal, sendo assim necessário que a reprodução ocorra na água.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

ANARTIA AMATHEA

 Fiquei bem próxima delas
 Não se fez de rogada, posou pra mim.
Ao fundo várias outras, pousando em outras flores.
Em uma das minhas visitas a casa do amigo Panda, que vive em um refúgio maravilhoso aqui em Bragança-Pará. Senti-me como se estivesse na verdade em um refúgio de borboletas e mariposas. Eram tantas que eu e Maria Benedita, minha câmera, descarregamos a bateria com tantos clics. Essa da foto é da espécie Anartia amathea, sendo típica de locais úmidos e beira de rios, igual como é a casa de meu amigo, onde passa um rio escondido entre os açaízeiros. Elas ocorrem em habitats assim, devido a planta que alimenta suas larvas serem abundantes em igapós.

domingo, 3 de outubro de 2010

DEVORADORAS

Linda essa planta, flores tão delicadas.
 A mesma planta após o ataque das lagartas.
Linda essa coloração.
Detalhe da folha, consumida por elas.
 Olha o estado da folha.
 Eram muitas.
 Amei a disposição das cores.
A natureza é perfeita.
Em uma bela segunda-feira do mês de agosto chego na EEEFM Padre Luiz Gonzaga , como de costume, me dirijo ao jardim para dar bom dia as plantas, chego perto de uma das minhas preferidas, que desconheço o nome da espécie, para minha surpresa ela estava minada de lagartas. Segundo o biólogo português João Pedro Cardoso, através de fotos por e-mail, talvez seja de exemplares do gênero Hyles sp, porém sem a cauda, garantindo já serem adultas e que em breve entrariam em encasulamento, e logo, logo após a metamorfose seriam borboletas. Uma postagem sem muita informação, porém estou disponível para receber contribuições bibliográficas à respeito, tanto para a planta, quanto para as lagartas.


COMPARTILHE

EDUCA TUBE

ONDE ESTÃO AS BALEIAS E OS GOLFINHOS?

Postagens populares

MEU CANAL

Loading...

LELA ORCA NAS REDES SOCIAIS

MAPA DOS SEGUIDORES DE LELA ORCA NO TWITTER

PAÍSES QUE ACESSAM DESDE 28/10/2011

free counters